A  Associação Nacional dos Deficientes Sinistrados no Trabalho, celebra hoje, 24 de julho de 2020, o 44º Aniversário. Foi à 44 anos que um grupo de homens e mulheres, sinistrados no trabalho, com doença profissional e familiares de trabalhadores que morreram por acidente de traballho decidiram, criar, formalmente, uma organização para a defesa dos direitos das vítimas do trabalho.

São 44 anos de um trabalho duro e intenso, de luta por mais e melhores direitos para os sinistrados no trabalho, doentes profissionais e seus familiares.

Nos últimos 5 anos, prestamos apoio a 19.869 trabalhadores/as nas valências de: apoio Informativo; apoio Jurídico; apoio Social; apoio Psicológico e apoio Médico na Avaliação do dano e incapacidade, em traumatologia e doença profissional.

Foram muitas as conquistas alcançadas, fruto de um trabalho voluntário e arduo. Podemos hoje dizer, sem dúvidas, que se muito há ainda por fazer para que a justiça chegue aos trabalhadores, a situação econónica, social e familiar de muitos milhares de trabalhadores estaria ainda pior não fosse a persistência da luta travada todos os dias por uma Organização que é hoje a vanguarda da luta pelos direitos dos sinistrados no trabalho e doentes profissionais.

Portugal, como de resto todo o Mundo, vive hoje, uma grave situação de saúde que afeta muitos trabalhadores, e entre os quais, aqueles que, nos Hospitais, nos transportes, nas escolas, e em muitos outros locais de trabalho, são contaminados, muitos vezes sem culpa por um virus  que ainda se desconhece os seus efeitos na saúde ao longo dos anos, mas que se sabe que tem vitimado, mortalmente, muitas pessoas.

A comunicação social, nos ultimos dias, tem dado notícia de que muitas centenas de trabalhadores (médicos, enfermeiros, auxiliartes e outros) do Serviço Nacional de Saúde, se encontram de baixa médica por causas relacionadas com o exercício da sua atividade profissional, perdendo cerca de 30% do seu salário. Trata-se, na verdade, de doenças profissionais, que não deviam causar qualquer corte salarial.

O Governo e o Grupo Parlamentar que o apoia, reiteradamente, tem homenageado  "os trabalhadores da linha da frente" os que estão a trabalhar, sem descanso nos hospitais públicos, nos Centros de Saúde, nas IPSS e outras Instituições que prestam serviços de saúde publica, mas é o mesmo Governo e o mesmo Grupo Parlamentar que recusa alterar a Lei (artigo 41º do Decreto Lei 503/2009) que retira direitos aos funcionários públicos, entre os quais os que trabalham em meio hospitalar.

A ANDST, ao celebrar mais um aniversário, presta homenágem aos seus fundadores e inicia mais um ano de luta por mais e melhor justiça social para as vítimas do trabalho.